Hugo Jorge - Psicologia & Counselling - Portugal, Australia, Moçambique
Formado em Psicologia. Life Coaching. Ludoterapia. Counselling. NOVA PAGINA www.hugojorge.com

24 Setembro 2008

Um jornalista perguntou, numa certa ocasião, à Madre Teresa de Calcutá o que ela dizia a Deus quando rezava. "Nada!" ela respondeu. "Eu apenas ouço", acrescentou. Surpreso, o jornalista perguntou "E o que lhe diz Deus?" "Nada!", respondeu a Madre Teresa. "Ele apenas ouve"

publicado por Hugo Jorge às 09:44

15 Setembro 2008

Hoje de manhã bem cedo fui despedir-me da Ana. Partiu pelas 6h00 em direcção a Maputo e apenas chegará a Barcelona pelas 11h30 de amanhã.

 

A Ana é uma médica catalã que esteve com os Medicus Mundi Catalunya durante quatro meses a trabalhar na área da saúde na província de Gaza. 

 

Depois de uma despedida emocionalmente forte, cheguei a casa e decidi dar vida ao blog  [desculpem a falta de novidades] e coloquei o seguinte texto no blog. Mas só durante a tarde percebi a ligação entre a partida da Ana e o que diz o texto.  Espero que gostem.

 

Onde é a minha casa? É um bom princípio para qualquer um de nós. Na realidade, é o princípio, quando nos damos conta que falta alguma coisa. Não sabemos o quê. É um mistério. Contudo temos esta sensação, há uma espécie de acordar para o que poderíamos chamar espiritualidade, ou apenas consciencialização, e começamos à procura do que falta, sem mesmo saber o que é. A mente desperta está sempre a enviar-nos uma espécie de sinal. A mente desperta, ou o que quer que lhe queiramos chamar, está sempre a tentar emergir, a chamar-nos de volta a casa. Alguém disse que o nosso único mal, são as saudades, e que temos saudades porque não estamos em casa; e contudo, claro, seja onde for que estejamos, estamos em casa. Mas não o sentimos; sentimo-nos alienados da nossa própria casa e de nós mesmos. Penso que uma das coisas que sempre procuramos, é perceber como estar em casa seja onde for que estejamos, como estar em casa no nosso próprio corpo, como estar em casa em nós mesmos. É como um instinto “caseiro”. Somos como o pombo-correio que parece sempre ter este extraordinária habilidade de saber como encontrar o caminho para casa.

 

Do livro Big Mind, Big Heart, de Genpo Roshi, tradução de Margarida Cardoso

publicado por Hugo Jorge às 09:53

Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Analytics
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

27 seguidores

pesquisar
 
blogs SAPO