Hugo Jorge - Psicologia & Counselling - Portugal, Brasil, Guiné-Bissau, São Tomé e Prínc
Formação em Psicologia, Life Coach. Ludoterapeuta. Pós-graduado em Counselling

29 Outubro 2007
A ansiedade generalizada consiste numa preocupação e numa ansiedade excessivas e quase diárias (com duração superior ou igual a 6 meses) acerca de uma variedade de actividades e de acontecimentos.

A ansiedade e a preocupação da ansiedade generalizada são tão extremas que são difíceis de controlar. Além disso, a pessoa experimenta três ou mais dos sintomas seguintes: inquietação, cansaço fácil, dificuldade em concentrar-se, irritabilidade, tensão muscular e alteração do sono. As preocupações são bastante naturais; entre as mais frequentes encontram-se as das responsabilidades no trabalho, o dinheiro, a saúde, a segurança, as reparações do carro e os trabalhos diários. A intensidade, a frequência ou a duração das preocupações são desproporcionadamente maiores do que as requeridas pela situação.

A ansiedade generalizada é frequente: cerca de 3 % a 5 % dos adultos apresentam-na em algum momento durante um ano. As mulheres têm o dobro das probabilidades de a manifestar. Começa, frequentemente, na infância ou na adolescência, mas pode apresentar-se em qualquer idade. Para a maior parte das pessoas, esta condição é flutuante, piorando em determinados momentos (sobretudo em épocas de stress) e persiste ao longo de muitos anos.

Tratamento

Os fármacos são o tratamento preferido para a ansiedade generalizada. Habitualmente prescrevem-se fármacos ansiolíticos, como as benzodiazepinas; no entanto, dado que o uso de benzodiazepinas a longo prazo pode criar dependência, se se decidir a sua interrupção, deve reduzir-se gradualmente, e não de forma brusca. O alívio que as benzodiazepinas proporcionam, geralmente, compensa alguns efeitos secundários ligeiros.

A buspirona é outro fármaco eficaz para muitas pessoas com ansiedade generalizada. O seu uso parece não provocar dependência física. No entanto, a buspirona pode levar duas semanas ou mais para fazer efeito, em contraste com as benzodiazepinas, que começam a actuar ao fim de alguns minutos.

A terapia de comportamento não costuma geralmente ser benéfica porque não existem situações claras que desencadeiem a ansiedade. As técnicas de relaxação e de biorretroacção podem ajudar.

A ansiedade generalizada pode estar associada a conflitos psicológicos subjacentes. Estes conflitos estão frequentemente relacionados com inseguranças e atitudes autocríticas que são autodestrutivas. Para algumas pessoas, a psicoterapia pode ser eficaz para ajudar a compreender e a resolver conflitos psicológicos internos.

Fonte: Manual Merck

publicado por Hugo Jorge às 10:45

Obrigada pela visita ao meu Gato com Vertigens: http://gatocomvertigens.blogs.sapo.pt/
Gostei muito do seu blog. Sempre me interessei muito por psicologia e acho que pode ajudar muitas pessoas que sentem que estão a ser esmagadas pelos seus problemas. Vou visitá-lo com frequência...
Straycat a 11 de Dezembro de 2007 às 17:21

Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
15
19
20

23
26
27

28


Analytics
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO