Hugo Jorge - Psicologia & Counselling - Portugal, Australia, Moçambique
Formado em Psicologia. Life Coaching. Ludoterapia. Counselling. NOVA PAGINA www.hugojorge.com

04 Junho 2008

Qual é a importância do relacionamento entre animais e humanos para o desenvolvimento destes últimos?

Penso que tanto as pessoas como os animais podem ganhar muito a partir de uma convivência harmoniosa. Os estudos mais recentes têm demonstrado que existem vários benefícios dos animais de companhia no bem-estar geral, no desenvolvimento psicológico, social e na qualidade de vida das pessoas. Tudo indica que interacção com animais de companhia provoca nas pessoas resultados fisiológicos, psicológicos e sociais. Por exemplo, as pessoas com animais de companhia apresentam menor número de visitas a médicos e gastos mais baixos com medicação. Apresentam, também, níveis de solidão, depressão e ansiedade mais baixos. Verifica-se, ainda, que os animais de companhia funcionam como facilitadores sociais e de integração para crianças, idosos e pessoas portadoras de deficiência. Estes são apenas alguns resultados encontrados nas centenas de estudos que já foram realizados por psicólogos, psiquiatras e médicos.

Pensa que, a determinadas alturas, o desenvolvimento cognitivo das crianças pode ser acelerado perante a presença de animais ou através do contacto com estes?

Há cada vez mais certeza de que a existência de um animal de companhia na vida das crianças lhes proporciona um desenvolvimento mais harmonioso, quer psicológica, quer socialmente. As crianças que possuem cães ou gatos em casa e que interagem com estes, apresentam uma maior descentração pessoal e um comportamento mais pro-social. Para além facilitação e integração social, a interacção com animais de companhia contribui positivamente para a auto-estima e sentido de responsabilidade. Considero os animais de companhia como verdadeiros promotores da qualidade de vida das crianças, uma vez que facilitam a exploração do mundo e ajudam na construção da sua independência. Muitas crianças encaram os seus animais de companhia como parceiros de brincadeiras, aventuras e como os seus fiéis protectores. Esta visão vai mudando com o tempo, passando os animais de companhia a serem os mais íntimos confidentes e fonte de suporte emocional. Independentemente da idade, a maioria das crianças encara os animais como um amigo especial e como membro da família. Por todo o mundo, existem já diversas escolas que reconhecem a importância dos animais de companhia e os integram no seu programa educativo de forma a facilitar um maior desenvolvimento pessoal, social e ético de cada aluno, mas também da própria comunidade educativa, professores, funcionários e pais.

De que forma podem os animais contribuir para a resolução de alguns problemas do foro emocional, tendo em conta o nosso ritmo de vida diário?

Um dos problemas mais comuns nos dias de hoje é o stress. A interacção com animais de companhia pode, de facto, contribuir para a redução dos níveis de stress, proporcionando um suporte emocional a muitas pessoas. Já se fala disto desde os anos oitenta. A solidão e o isolamento social são outros problemas que têm vindo a crescer na nossa sociedade. Basta pensar na quantidade de idosos que vivem sozinhos nas cidades e aldeias do nosso país. Muitos deles possuem pouco ou nenhum contacto social. Uma grande maioria tem um cão ou um gato. Os animais tornam-se fiéis companheiros e dão maior alegria a uma existência que nem sempre é colorida. Alguns estudos indicam que a qualidade de vida do idoso aumenta, assim como a sua longevidade. Temos também o caso de sem-abrigo. Conheço alguns que possuem animais de companhia. Um cão ou gato que para toda a parte os acompanham, sendo muitas vezes os únicos que verdadeiramente amam e não se importam que o dono esteja sujo ou cheire mal. Na vida de muitas pessoas, os animais de companhia são os únicos que os aceitam incondicionalmente, sem criticar ou julgar.

Qual a importância das terapias com o recurso a animais, cujo expoente mais conhecido é, na actualidade, a hipoterapia?

Cada vez mais se reconhecem os efeitos terapêuticos benéficos dos animais de assistência ou de terapia com populações específicas, como no caso de deficientes visuais e motores. A hipoterapia é um excelente exemplo e que tem apresentado grandes resultados com doenças de âmbito neurológico. Posso citar outras populações onde já foram efectuadas algumas experiências e que apresentaram algum sucesso: crianças hiperactivas, pessoas com problemas psiquiátricos, pacientes de Alzheimer e portadores de Trissomia 21.

Acredito profundamente que as terapias e as actividades com recurso a animais proporcionam uma assinalável melhoria da qualidade de vida das pessoas a que elas recorrem.

Poderemos afirmar que, neste momento, dissociar seres humanos e animais poderia ser prejudicial à nossa própria vivência?

Imaginando que amanhã todos os animais não-humanos deixariam de existir, a vida enquanto a concebemos actualmente sofreria profundas mudanças. Milhares de pessoas ficariam privadas da companhia, alegria e apoio psico-social proporcionados pelos animais de companhia. A vida perderia uma grande parte da sua cor e magia. Creio que, cada vez mais, nos apercebemos do valor inestimável que os animais possuem nas nossas vidas, procurando assim formas mais harmoniosas de convivência mútua.

Entrevista de Hugo Jorge ao Jornal Primeiro de Janeiro em 19 de Março de 2004

publicado por Hugo Jorge às 08:46

17 Dezembro 2007
Fonte: Público
Foto: Michael Carrona/Reuters


Beber uma chávena quentinha de chá ou café enquanto se aprecia o prazer de acariciar um gato é o que oferece um novo café, em Tóquio. Este ano já abriram três cafés com gatos na capital japonesa. Mimar gatos está a tornar-se uma moda. Ichigo, o gato da foto, alheio aos prazeres do café e do chá, parece gostar da ideia.

Outros artigos neste blog sobre animais:

A Morte do Animal de Companhia e o Luto da Pessoa

Relação entre Pessoas e Animais - entrevista

Portugueses gostam de viver com animais

A Interacção Humanos-Animais

publicado por Hugo Jorge às 10:59

18 Outubro 2007
Portugal é um dos países da União Europeia (UE) com mais animais de estimação. A taxa portuguesa encontra-se entre as mais elevadas da Europa, já que em cerca de 3,5 milhões de agregados familiares existe um animal doméstico.

Em cerca de 40% destes lares portugueses há um cão e em 20% um gato.

Leia o artigo anteriormente publicado neste blog sobre a Interacção Humanos-Animais e descubra os benefícios de ter um animal de companhia.
publicado por Hugo Jorge às 15:35

04 Outubro 2007
Benefícios

Os estudos mais recentes têm demonstrado que existem vários benefícios dos animais de companhia no desenvolvimento psicológico, social e na qualidade de vida das pessoas. Verificaram-se níveis de solidão, depressão e ansiedade mais baixos em pessoas que possuíam animais de companhia.

Um dos problemas mais comuns nos dias de hoje é o stress. A interacção com animais de companhia pode, de facto, contribuir para a redução dos níveis de stress, proporcionando um suporte emocional a muitas pessoas. Acrescenta-se, ainda, o papel de facilitadores sociais e de integração de crianças, idosos e pessoas portadoras de deficiência.

Estes são apenas alguns resultados encontrados nas centenas de estudos que já foram realizados por psicólogos, psiquiatras e médicos. Contudo, é importante referir que estes benefícios surgem apenas em pessoas que gostam e estabelecem uma ligação emocional próxima com animais.

Crianças

Há cada vez mais certeza de que a existência de um animal de companhia na vida das crianças lhes proporciona um desenvolvimento mais harmonioso, quer psicológica, quer socialmente. As crianças que possuem cães ou gatos em casa e que interagem com estes apresentam uma maior descentração pessoal e um comportamento mais pró social. Para além da facilitação e integração social, a interacção com animais de companhia contribui positivamente para a auto-estima e sentido de responsabilidade.

Os animais de companhia são verdadeiros promotores da qualidade de vida das crianças, uma vez que facilitam a exploração do mundo e ajudam na construção da sua independência. Muitas crianças encaram os seus animais de companhia como parceiros de brincadeiras, aventuras e como os seus fiéis protectores. Esta visão vai mudando com o tempo, passando os animais de companhia a serem os mais íntimos confidentes e fonte de suporte emocional. Independentemente da idade, a maioria das crianças encara os animais como um amigo especial e como membro da família.

Idosos

A solidão e o isolamento social são outros problemas que têm vindo a crescer na nossa sociedade. Basta pensar na quantidade de idosos que vivem sozinhos nas cidades e aldeias do nosso país. Muitos deles possuem pouco ou nenhum suporte social. Um grande número tem um cão ou um gato. Os animais tornam-se fiéis companheiros, dando maior alegria e um sentido a uma existência que nem sempre é colorida.

Alguns estudos indicam que a qualidade de vida do idoso aumenta, assim como a sua longevidade. A inserção de animais de companhia em lares tem proporcionado oportunidades para os idosos conversarem, recordarem outros tempos, assim como para a sua estimulação sensorial.
publicado por Hugo Jorge às 15:26

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Analytics
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

27 seguidores

pesquisar
 
blogs SAPO